Um programador de software dos EUA teve uma ideia: se milhares de empresas pelo mundo lucram buscando na Ásia serviços feitos por funcionários com piores salários, por que ele não poderia fazer o mesmo com o próprio emprego?
Trabalhando em casa, “Programador Bob”, o codinome do funcionário, contatou um colega em uma consultoria da cidade chinesa de Shenyang, certificou-se de que ele poderia fazer seu trabalho e combinou pagá-lo mensalmente menos de um quinto de seu salário.
O resto do tempo Bob dedicava ao que quisesse, incluindo horas assistindo a vídeos no YouTube e surfando na internet em sites como Reddit e eBay.
O programador só foi descoberto -e demitido- porque a empresa para que trabalhava contratou a gigante de telecomunicações Verizon para apurar suspeitas de que seus sistemas estavam sendo invadidos por hackers da China.
“O código para que ele entrasse no sistema mostrava Bob conectado na China, quando o empregado estava bem aqui, sentado na sua mesa”, disse Andrew Valentine, investigador-sênior da Verizon que trabalhou no caso.
“O próprio empregado foi à central para as investigações, porque suas credenciais haviam sido usadas para iniciar e manter uma conexão privada à distância a partir da China”, disse Valentine, citado pela BBC Brasil.
Segundo Valentine, o empregado era “inofensivo e calado”, mas também um programador talentoso capaz em várias linguagens de programação.
METÁFORA GLOBAL
Segundo as investigações, há evidências de que Bob fazia isso com várias empresas -e pagava US$ 50 mil aos chineses anualmente.
“Se é OK para a Apple [produtora de Iphones e Ipads] e outras firmas, você se pergunta, por que não é para o Programador Bob? Fina questão retórica”, ironizou o jornal britânico “The Telegraph”.
Para o jornal, em tempos de crise na Europa e nos EUA, Bob está sendo visto como um herói pós-moderno.
Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmailby feather